Centro de Fisioterapia auxilia cada vez mais na reabilitação de pacientes

“Só tenho elogios ao pessoal que têm me atendido. Rompi o ligamento há dois meses e passei por uma cirurgia, mas mesmo antes disso, já estava em atendimento. Tinha um pouco de medo de operar o joelho, mas esses meses que estou fazendo fisioterapia foram ótimos. Na primeira semana pós-cirurgia, eu não conseguia nem pôr o pé no chão. Meu joelho estava muito inchado, mas agora está sensacional. Estou até espantado”, Diego Fernando Sandre dos Santos

Eva Francisco Dias (59), que trabalha como doméstica, finalizou quinze sessões de fisioterapia nesta semana. Ela ficou com imobilização no antebraço e pulso depois de ter sofrido uma fratura do terço distal do rádio há dois meses e precisou de tratamento especializado para conseguir retomar os movimentos da mão afetada. “Eu tive uma fratura quando caí no serviço. Fiquei dois meses com o gesso, e agora melhorou cem por cento. Não sinto mais dores e recuperei os movimentos. Estou admirada com a atenção que as meninas me deram, pois todas me trataram com muito carinho”, disse.

Nos aparelhos, estava o competidor em touros Diego Fernando Sandre dos Santos (30), paciente vindo de um pós-operatório devido a uma lesão de ligamento cruzado anterior no joelho. “Meu joelho está bem melhor. Só tenho elogios ao pessoal que têm me atendido. Rompi o ligamento há dois meses e passei por uma cirurgia, mas mesmo antes disso, já estava em atendimento. Tinha um pouco de medo de operar o joelho, mas esses meses que estou fazendo fisioterapia foram ótimos. Na primeira semana pós-cirurgia, eu não conseguia nem pôr o pé no chão. Meu joelho estava muito inchado, mas agora está sensacional. Estou até espantado”, frisa. Ele foi submetido a um trabalho muscular isométrico, ganho de amplitude de movimento e fortalecimento muscular, para voltar a suas atividades.

Em fase de recuperação, depois de um problema que acabou afetando os movimentos e até o andar, Ivone Fátima dos Santos (63), aposentada, era carinhosamente atendida pela fisioterapeuta da rede que atende em domicílio. Posteriormente, ela passou a frequentar o centro, ainda de cadeira de rodas, para ampliar os exercícios de fortalecimento e alongamento muscular. “Após ter recebido o atendimento domiciliar, quando já apresentava melhora, comecei então a vir para o centro. O atendimento foi excelente, e pude ver muita melhora na minha recuperação. No começo eu vinha de cadeira de rodas, mas agora meu corpo começou a responder e já estou no andador. Vou para a igreja de andador, e até desço sozinha do veículo quando chego nos lugares”, disse.

Também em tratamento com sessões de fisioterapia, está o metalúrgico Ewerton Aparecido de Oliveira (40), que sofreu um acidente doméstico após o que foi conduzido a uma cirurgia no tendão do polegar. “Há um tempo atrás sofri um acidente em casa, fazendo manutenção em um aspirador de pó, onde ocorreu uma lesão gravíssima. Por volta de um mês e dez dias atrás, tive que passar por uma cirurgia. Estou na minha décima quarta sessão, e desde então, não tenho do que reclamar. São pessoas excelentes, dando o seu melhor a cada dia, atendendo os pacientes que são direcionados para cá. Senti uma diferença enorme, por que eu não conseguia nem mexer a mão, e agora já consigo realizar algumas atividades que antes para mim, eram impossíveis”, relatou.

Rogério Teixeira Barbosa, superintendente do DHS, lembra que até o ano de 2016, o Município contava com três fisioterapeutas que juntas, atendiam todos os pacientes da rede de saúde municipal. “Hoje dobramos o número de profissionais, e agora contamos com cinco fisioterapeutas no centro e uma no atendimento para acamados, através do “Home Care”, ambas atendendo pessoas com problemas ortopédicos, respiratórios, neurológicos ou acidentais”, reiterou “Pida”.

Para a prefeita Tina Januário, priorizar a saúde vai de encontro com os compromissos da atual gestão, ao oferecer um atendimento mais humanizado para os moradores. A partir do reconhecimento desse importante trabalho, a chefe do executivo incentivou ações resolutivas quanto a agilidade e os serviços do local. “Estamos trabalhando para melhorar a qualidade da saúde pública oferecida a população”, finalizou a prefeita.

Hoje, 212 pessoas são atendidas por mês via SUS (Sistema Único de Saúde) no Centro de Fisioterapia “Comendador Nivaldo Bueno Brasil”, unidade de atendimento do Departamento de Higiene e Saúde de Pompeia. São recebidos, pacientes encaminhados por médicos ortopedistas, neurologistas ou das Unidades de Saúde da rede municipal. Eles são agendados com hora marcada e não enfrentam filas de espera. Há vagas para casos urgentes como pós-imobilização por fraturas, acidentes de trânsito e trabalho, casos pós-operatórios, ou de AVC.

“O paciente sai da consulta com a guia de encaminhamento, onde constam as sessões de fisioterapia necessárias, data do início e o horário do tratamento”, explicou a fisioterapeuta do Centro de Fisioterapia, Cláudia Iwamoto. “Quando é um pós-operatório ou uma pós-imobilização, nós colocamos o paciente em atendimento diário ou por até três vezes na semana, sem espera. Quanto mais rápida a intervenção melhor o resultado, por isso, este encaixe realizado nos casos de extrema necessidade. Nunca sabemos quando vai ter um acidente ou uma ação cirúrgica que precise do trabalho de reabilitação”, pontuou.

A equipe do Centro de fisioterapia conta com 5 fisioterapeutas, incluindo Cláudia, e uma no atendimento domiciliar para acamados. “Através de recursos como crioterapia, fototerapia, eletroterapia, mecanoterapia, cinesioterapia, a fisioterapia visa prevenir incapacidades, recuperando funções e promovendo o bem-estar do paciente, com exercícios e aparelhos para alívio de dor, fortalecer, alongar e relaxar a musculatura. Assim, damos sequência nos atendimentos a pacientes que necessitam da reabilitação física, em diferentes casos como pré e pós-operatório, casos de fraturas, lombalgias, AVC, entre outros”, acrescentou a também fisioterapeuta, Gabriela Ernestino. As salas contam com diversos aparelhos e continuam se estruturando para auxiliar os cerca de 45 pacientes atendidos diariamente.

O Centro de Reabilitação e Fisioterapia fica na Rua Quintino Bocaiúva, 37, no Bairro Flândria. Mais informações podem ser obtidas por meio do telefone 3405 2808.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *