DHS faz alerta para importância da vacinação contra sarampo

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Aviso é para as pessoas que não têm ou não sabem se têm o esquema vacinal completo contra o sarampo, e que procurem sua unidade de saúde para se imunizar.

O Departamento de Higiene e Saúde de Pompeia e a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo vêm mobilizar toda a população para a campanha de vacinação contra o sarampo. O alerta é direcionado principalmente aos adolescentes e adultos e o intuito é de vacinar todas as pessoas com idade entre 15 e 29 anos, barrando com eficiência o avanço da doença no estado.

A enfermeira do setor de Epidemiologia do DHS, Luciana Martessi, informou que foram registradas algumas suspeitas da doença, mas até agora nenhum caso foi confirmado. “Uma pessoa com sarampo pode contaminar outras 18, o que exige uma investigação minuciosa de cada caso suspeito para mapear seus movimentos até seis dias antes do aparecimento dos sintomas. Por isso, as vacinas de bloqueio que ocorrem nas residência, locais de trabalho e espaços onde o paciente transitou no período de transmissão da doença”, disse.

A vacina é a única maneira efetiva de prevenir a doença. O esquema vacinal vigente para a doença prevê duas doses de vacina com o componente sarampo, sendo uma dose da vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade, e uma dose da vacina tetra viral aos 15 meses de idade (que protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela). Quem não completou este esquema vacinal quando era criança, precisa atualizar a carteira de vacinação. Adolescentes e adultos, entre 10 a 29 anos, precisam ter tomado durante a vida duas doses de tríplice viral (ou uma da tríplice e outra da tetra). Adultos, dos 30 aos 49 anos, precisam ter toma     do, ao menos, uma dose da tríplice viral durante a vida. “Quem já tomou duas doses da vacina em algum momento da vida está imunizado”, completou Luciana.

Mas em alguns casos, a imunização não é recomendada. “Gestante e pessoas com imunossupressão por doença, câncer, HIV ou algum outro tratamento, não devem tomar a vacina sem a indicação de um médico”, finalizou.

Vale ressaltar da importância em manter atualizada a caderneta de vacinação de toda a família (desde as crianças até os idosos), e incentivar os amigos e familiares a fazerem o mesmo. As Unidades de Saúde contam com 19 vacinas para mais de 20 doenças, cuja proteção inicia ainda nos recém-nascidos, podendo se estender por toda a vida.

Sintomas

A transmissão do sarampo ocorre de forma direta e rápida, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. As partículas virais ficam suspensas no ar. Por isso, o elevado o poder de contágio da doença. Os primeiros sintomas do sarampo são febre alta, tosse, coriza e conjuntivite, seguidos de manchas avermelhadas pelo corpo. A orientação, nestes casos, é procurar o serviço de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *