Vigilância Sanitária realiza semana de prevenção e conscientização sobre Leishmaniose

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a prevenção da leishmaniose visceral, o Departamento de Higiene e Saúde de Pompeia, através da Vigilância Sanitária, realiza nos próximos dias uma ação de intensificação nas orientações voltadas à doença causada pela multiplicação de protozoários no organismo do homem ou dos animais.

Os trabalhos fazem parte da Semana Municipal de Controle e Combate à Leishmaniose, em parceria com a SUCEN – Superintendência de Controle de Endemias de Marília. Nesses dias haverá intensificação das visitas dos agentes nas residências, além da abordagem aos munícipes realizada por agentes sanitários, agentes comunitários de saúde e agentes de endemias com informações sobre a doença, orientações nas nove Unidades de Saúde e divulgação nas mídias.

“Como ainda estamos no enfrentamento há pandemia da Covid-19, este ano não será possível a realização do inquérito canino. Por esse motivo, as ações deverão ser individuais, através do trabalho de orientação, distribuição de panfletos e divulgação nas nossas páginas oficiais”, explicou o diretor da Vigilância Sanitária, João Marcelo Destro “Shell”.

A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa sistêmica, caracterizada por febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia e outras manifestações. Ela é transmitida ao homem somente pela picada do inseto vetor infectado, o Lutzomyia longipalpis, mais conhecido como mosquito-palha.

Nos cães os sintomas são: crescimento das unhas, queda dos pelos, feridas na pele, secreção ocular, emagrecimento e perda do apetite.

Para a prevenção, evite manter matéria orgânica em decomposição nos quintais das casas, ambiente propício para o desenvolvimento do inseto.

“Todas as atividades podem ser feitas dentro das nossas residências. Pedimos para que não acumulem lixo nos quintais e nem jogue em terrenos baldios, mantendo uma rotina de limpeza. Também indicamos o uso da coleira antileishmaniose como método mais eficaz para controle da doença em cães”, completou Shell.

Neste ano, devido a pandemia, não foram enviados testes rápidos para os cães, plano de manejo e controle da leishmaniose que ocorreu nos anos anteriores. No caso de animais positivos, com exame realizado por clínicas particulares, a eutanásia é recomendada como uma das formas de controle da leishmaniose canina.

Em casos de dúvidas, entrar em contato com a Vigilância Sanitária através do telefone 3405 2806.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *